Períodos úmidos são ideais para a proliferação de mastite ambiental e contagiosa: saiba como identificar e tratar

 Mais importante doença da pecuária leiteira, a mastite tem alto nível de contágio


A pecuária leiteira requer cuidados especiais, pois a produtividade e o bem-estar dos animais estão muitas vezes associados ao clima e às condições do ambiente. No verão, época marcada pelo clima quente e de fortes chuvas, a proliferação de bactérias é rápida e muitas vezes silenciosa. Este é o cenário perfeito para a proliferação das mastites. "Fazemos a distinção da mastite em duas espécies: a contagiosa e a ambiental, sendo a segunda a mais frequente, pois o rebanho fica suscetível à contaminação por bactérias presentes nas fezes e urina", analisa o médico-veterinário Thales Vechiato, da Pearson Saúde Animal.


A mastite ambiental afeta a glândula mamária das vacas, causando inflamação, dor, queda na produção de leite e pesados prejuízos econômicos. Ela é provocada por bactérias presentes no ambiente, como Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Streptococcus uberis. Já a mastite contagiosa surge em consequência do contato entre glândulas mamárias, que pode ocorrer por meio do equipamento de ordenha ou das mãos dos ordenadores.


"Outra distinção entre mastite clínica e subclínica: na primeira os indícios de inflamação são fáceis de identificar e podem manifestar diversos sintomas, como aumento da temperatura corporal, inchaço, rigidez e desconforto nas glândulas mamárias. Em infecções mais intensas, são frequentes dificuldade respiratória, pressão arterial baixa, fraqueza e falta de apetite. Já no caso da mastite contagiosa, os indícios não são tão aparentes, pois não há modificação na glândula mamária nem na aparência do leite. Por isso, pode passar despercebida. Nessas situações, há aumento da contagem de células somáticas e mudanças nos níveis de caseína, cálcio, gordura e lactose", explica o médico-veterinário.


Para identificar se o animal está com mastite subclínica, são feitos testes, como o CMT (California Mastitis Test). Segundo a Embrapa, o experimento consiste na reação entre a amostra de leite e o reagente (CMT) ao ser misturados. Há formação de gel quando o resultado é positivo. Como o resultado do teste é baseado na formação de gel, quanto mais afetado estiver o quarto mamário mais gelatinosa fica a mistura.


"Independentemente dos casos, é necessário adotar estratégias que auxiliam o combate a essas infecções. Para isso, a Pearson disponibiliza em seu portfólio Tilofor 20%, que tem como princípio ativo a tilosina, antibiótico que impede as bactérias de produzir proteínas, o que as torna sensíveis ao produto. Outra solução é  Newmast, formulado com flumetasona, neomicina e espiramicina. Ele tem amplo espectro de ação e atua sobre os principais agentes causadores de mastite em bovinos. Seu uso deve ser feito no tratamento da mastite aguda ou crônica em vacas em lactação causada por Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae e Escherichia coli", detalha Thales Vechiato.


Sobre a Pearson


A Pearson Saúde Animal, com mais de um século de experiência, adota o conceito de saúde única, que reforça  a visão de saúde animal e a humana como codependentes. A empresa oferece um rico portfólio que inclui a pioneira Creolina, referência em desinfecção de ambientes e no controle de epidemias de saúde pública. Além do mais, a Pearson expandiu suas atividades para o mercado de animais de companhia em 2021, com a aquisição de licenças do laboratório Labgard, e inaugurou o Laboratório Gama em Itapevi (SP), considerado passo fundamental para se colocar entre as 10 maiores empresas do ramo de saúde animal. Para mais informações, visite o site  https://pearsonsaudeanimal.com/.


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem